Psicólogo Rafael Meloni | CRP 06/037921
Instagram: @mentemequilibrio | Facebook: \mentemequilibrio

Em algumas situações, o que no início era ou parecia um amor genuíno, pode evoluir para um relacionamento abusivo. Relacionamento abusivo não envolve somente agressão física, mas também agressão psicológica e/ou sexual. Mas o que difere estes tipos de violência?

A violência física implica qualquer ato com intenção de causar dano físico à outra pessoa, e pode começar com um simples empurrão e escalar para crueldade e até a morte.

Já a violência sexual, de forma geral, é a mais difícil de ser denunciada por preconceito ou vergonha de expor sua intimidade. Pode partir do assédio sexual até o estupro, passando por relação sexual não desejada, encarada como um dever conjugal, ou seja, como o direito de um cônjuge e uma obrigação do outro.

Por fim, a violência psicológica é a que começa mais sutil, com um olhar de desprezo ou de reprovação, e evoluem para humilhação. Ela é geralmente negada pelo agressor e por testemunhas, o que faz a própria vítima duvidar daquilo que a machuca profundamente. Tais características deixam sequelas para a vida toda.

Somado a tudo isso, num relacionamento abusivo o poder está no centro da questão, onde a vítima é tida como objeto de posse e de controle do abusador. Muitas vezes, os sinais são sutis e passam de forma despercebida e identificá-los nem sempre é fácil para a vítima, até que a violência se torne mais nítida.

Alguns sinais são:

1. Controle excessivo: O controle acontece quando um começa a decidir o que o outro pode ou não fazer. Quais roupas vestir, quais locais frequentar; em casos mais extremos, quais trabalhos a outra pessoa pode ou não ter.

2. Invasão de privacidade: Roubar senhas, mexer no celular, ler e-mails e mensagens, instalar programas de rastreamento são alguns sinais de que o outro não respeita seu espaço individual.

3. Ciúme excessivo: Com a justificativa de amar demais, o ciúme passa a ser justificativa para controle do outro.

4. Controle Financeiro: Quando uma pessoa controla todo o dinheiro do casal, de modo que o outro precise pedir dinheiro para tudo, também é um dos sinais de relacionamento abusivo.

Outros sinais passam por ameaça, destruição de objetos pessoais entre outros, que de maneira geral, privam as individualidades de cada um trazendo sofrimento. Por fim, um relacionamento abusivo pode levar à violência doméstica.

Apesar de ter várias faces, a violência doméstica ocorre dentro de um ciclo identificado pela Psicóloga Americana Lorena Walker. O ciclo é divido em 3 fases:

1. Aumento da tensão:

Nesse primeiro momento, o agressor se mostra tenso e irritado por coisas insignificantes, chegando a humilhar a vítima, fazer ameaças e destruir objetos. Em geral, a vítima tende a negar que isso está acontecendo com ela, sente vergonha e tenta justificar o comportamento do agressor. Essa tensão não tem um tempo definido, mas tende aumentar cada vez mais o que provavelmente leva para o estágio 2 do ciclo.

2. Ato de Violência:

Essa fase corresponde ao ato violento. Toda a tensão acumulada na fase 1 se materializa em violência verbal, física, psicológica, moral ou patrimonial. Nesse ponto, a vítima sofre uma severa tensão psicológica e alguns sentimentos como ódio, solidão e pena de si são comuns. Além disso, nesta fase é quando a vítima tende tomar decisões de buscar ajuda, denunciar ou até mesmo se suicidar.

3. Arrependimento e Comportamento Carinhoso:

Também conhecida como lua-de-mel, esta fase se caracteriza pelo arrependimento do agressor, o qual se torna amável para conseguir a reconciliação. A vítima se sente confusa e pressionada a manter seu relacionamento diante da sociedade, ainda mais quando o casal tem filhos. Como há demonstração de remorso e promessa de mudança, vinda de um período relativamente calmo, a vítima passa a se sentir responsável pelo agressor, estreitando a dependência entre ambos.

Por fim a tensão volta e ciclo é reiniciado.
Se você se identifica com partes deste texto, procure ajuda de um profissional.

—————————————————————————————————

Referências
Barreto, R.S.(2018) “Relacionamentos Abusivos: Uma Discussão dos Entraves ao Ponto Final.” Gênero Pag 142-154.

Betho, H. Relacionamentos abusivos: 15 sinais que você pode estar em um. Disponível em: https://azmina.com.br/reportagens/relacionamento-abusivo-15-sinais-de-que-voce-pode-estar-em-um/

Ciclo da Violência. Instituto Maria da Penha. Disponível em: https://www.institutomariadapenha.org.br/violencia-domestica/ciclo-da-violencia.html

Moreira, V., Boris, G. D. J., & Venâncio, N. (2011) “O estigma da violência sofrida por mulheres na relação com seus parceiros íntimos.” Psicologia e Sociedade, Pag 398-406

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, comente
Coloque seu nome aqui