Prefeito Rodrigo Ashiuchi participou da assinatura do convênio com a Secretaria de Estado da Justiça e da Cidadania nesta terça-feira (29/10)

O prefeito Rodrigo Ashiuchi participou na tarde desta terça-feira (29/10) da assinatura de convênio com a Secretaria de Estado da Justiça e da Cidadania que vai garantir nos próximos meses a instalação de uma unidade do Centro de Referência e Apoio à Vítima (Cravi) em Suzano. Este é mais um resultado da parceria entre os governos municipal e estadual após o trágico episódio envolvendo a Escola Estadual Professor Raul Brasil, em 13 de março deste ano.

Estiveram presentes na reunião, realizada em São Paulo, o chefe da pasta, Paulo Dimas Mascaretti; o coordenador do Cravi, Bruno Fedri; a supervisora técnica dos programas de Cidadania, Eliana Passarelli; e a presidente da Associação de Assistência a Mulher ao Adolescente e à Criança Esperança (Aamae), Silvia Rangel, que ficará responsável pela gestão da unidade em Suzano. Na oportunidade, também foram assinados convênios com as prefeituras de Santos, Araçatuba e São Vicente.

O Cravi completou 31 anos em 2019 e desde o início de suas atividades oferece atendimento público e gratuito a pessoas e familiares que foram alvo de crimes violentos. Em São Paulo, o trabalho está sediado no Fórum Criminal da Barra Funda. De acordo com a Secretaria de Estado da Justiça e da Cidadania, o programa já realizou mais de 39 mil atendimentos nas áreas psicossocial e jurídica.


A previsão é de que a futura unidade do Cravi em Suzano funcione no Paço Municipal e conte com uma equipe interdisciplinar especializada, formada por psicólogo, assistente social e auxiliar administrativo. Eles fazem a triagem e encaminham os usuários para serviços pertinentes às suas demandas.

 

De acordo com a coordenação do programa, antes de iniciarem o atendimento, os profissionais passarão por uma capacitação técnica ainda este ano na capital e, inicialmente, terão o acompanhamento de uma equipe estadual a cada 15 dias.

 

Ashiuchi agradeceu a concretização da medida e reiterou a importância da parceria entre município e Estado. “Após o ataque, várias ações já foram tomadas para acolher às vítimas. A principal delas foi a contratação de psicólogos que hoje atuam em escolas, equipamentos de saúde e de maneira fixa na própria Escola Estadual Raul Brasil. Estamos muito gratos por mais esta conquista, que irá se somar ao atendimento adequado para quem mais precisa”, ressaltou.

 

Atendimentos

Com o ocorrido na Escola Estadual Professor Raul Brasil, em 13 de março deste ano, que resultou na morte de dez pessoas, equipes do Cravi realizaram um plantão psicológico às vítimas do crime. Até junho, foram feitos 572 atendimentos individuais e em grupos para estudantes, professores e funcionários nas dependências da unidade e ainda visitas domiciliares para as pessoas que não têm condições físicas ou psicológicas para retornarem à rotina escolar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, comente
Coloque seu nome aqui