Reynaldinho propõe emenda a projeto de rodeio, destinando 5% de arrecadação a projetos que visam proteção de animais

Foco de uma grande polêmica durante o mês de agosto, o Projeto de Lei 307/2020, que torna o rodeio cutiano um patrimônio histórico e cultural de Arujá, recebeu uma emenda, feita pelo autor, vereador Reynaldo Gregório Júnior, o Reynaldinho, que altera o artigo 4. Nesta alteração o vereador propõe que as esporas devem ser do tipo roseta padrão, sem pontas, e que o sedém deve ser de algodão, de forma a evitar qualquer ferimento aos animais participantes. Além disso, o vereador propõe que em caso de rodeio, 5% da arrecadação obtida com a venda de ingressos seja destinada ao setor de zoonose e a projetos sociais envolvendo a causa animal.

O projeto, que levou um público recorde à Câmara, composto de pessoas favoráveis e contrárias aos rodeios, ainda está em tramitação nas comissões específicas e poderá ser ainda alvo de uma audiência pública para que os vereadores possam tomar posição de forma mais consciente. Caso venha a ser aprovado, ainda dependerá da sanção do prefeito Luís Camargo.

Reynaldinho, porém, vem conversando com os demais parlamentares e buscando o voto favorável. Para isso, ele destaca que nesta modalidade de rodeio cutiano a movimentação do peão sobre o cavalo não causa dor ou incômodo. “Não sou eu que estou afirmando isso, muito embora eu acompanhe esse tipo de evento desde a infância, pelo contrário, há um estudo feito pela UNESP de Jaboticabal, que explica detalhadamente esta movimentação, assegurando que o animal não sofre dores ou ferimentos. E por isso estou alterando um artigo do projeto justamente para estabelecer que seja usado uma roseta sem pontas e o sedem de algodão”, argumentou

 O vereador, que tem alguns projetos anteriores em defesa dos animais, afirma que jamais proporia algo para causar sofrimento a eles. “As pessoas precisam considerar também o fato de que o rodeio sempre esteve presente no cotidiano da cidade, sempre fez parte da memória histórica de Arujá e é considerado uma festa, com grande público. É um evento que traz receita para a cidade num momento em que a economia precisa ser recuperada e por isso também apresentei a proposta para que 5% da verba arrecadada, caso tenhamos um rodeio, seja destinada à projetos da causa animal”, acrescentou.

 

 

ADVERTISEMENT
ADVERTISEMENT
ADVERTISEMENT
ADVERTISEMENT
Sidebar