Por: Nadja Cortes

Descobrir-se grávida em meio a um momento tão turbulento da humanidade não é algo fácil. Já não bastam as inseguranças típicas de quem está prestes a encarar uma gestação, o atual período reserva ainda mais preocupações. E elas vão desde o medo de uma contaminação por COVID-19, seja numa simples consulta pré-natal ou mesmo na temida hora do parto, até a inquietude de pensar que sua rede de apoio só poderá ajudar à distância.

Isso sem falar no que vem mais adiante: qual será o impacto do isolamento social para o desenvolvimento do bebê?

Estes e muitos outros pensamentos passam a fazer parte da rotina de quem está gestando em plena pandemia. E é natural que isso ocorra, afinal estamos falando de uma crise sanitária global sem precedentes.

É por isso que deixo aqui o humilde conselho de quem conhece bem essa aflição: não deixe o temor dominar e muito menos te impedir de reconhecer a beleza de gerar uma vida.

Permita-se focar no hoje e filtrar tudo o que chega. Busque equilíbrio, conhecimento e informações verdadeiras, aquelas que de fato farão a diferença.

As incertezas tornam a gestação na pandemia ainda mais turbulenta

Faça o acompanhamento

81% das grávidas temem a contaminação durante as consultas, segundo estudo da Federação Brasileira de Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) e da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP).

O medo de exposição ao coronavírus tem feito com que muitas tenham um pré-natal deficitário, deixem de tomar as vacinas e fazer os exames necessários. O acompanhamento efetivo é fundamental para a saúde da mãe e do bebê. Dessa forma, durante a pandemia, o recomendado é seguir as medidas preventivas e manter a rotina médica em dia.

Mulheres em qualquer idade gestacional (incluindo as que tiveram aborto ou perda fetal) compõem a população com condições e fatores de risco para possíveis complicações da síndrome gripal.

Mantenha-se atenta a todo e qualquer sintoma e, em caso de dúvida, recorra ao seu médico ou consulte fontes de pesquisa confiáveis. Em caso de agravamento, busque o quanto antes atendimento hospitalar e não deixe de prevenir-se tomando todos os cuidados contra a COVID-19.

Mesmo durante a pandemia, é essencial manter as consultas de pré-natal

Busque fontes confiáveis

É fundamental identificar quais são as fontes em que realmente pode se apoiar para esclarecer dúvidas. O médico do pré-natal é a pessoa mais indicada para auxiliar nessa parte, não deixe de registrar o que gostaria de elucidar e mencione tudo na consulta, sem receios.

Há inúmeros mitos, casos e dados falsos circulando pelas redes – inclusive entre influenciadores digitais e grupos de WhatsApp. Por isso, desconfie! Na hora de pesquisar, busque fontes oficiais, instituições de credibilidade e veículos de imprensa reconhecidos (veja dicas mais abaixo).

Sobre a vacina contra a COVID-19, por exemplo, ainda há muitas dúvidas por parte das futuras mamães e diversas informações desencontradas por aí.

Afinal, se compõem o grupo de risco, podem ou não ser vacinadas?

A dose não é recomendada às grávidas, ao menos neste momento. Segundo a FEBRASGO, ainda não há informações sobre seus efeitos em gestantes, puérperas e lactantes. A entidade explica que é preciso aguardar o impacto da imunização na população geral para, a partir daí, avaliarem sua aplicação em mulheres deste perfil.

Viver uma gestão durante a pandemia é um desafio, por isso busque sempre por informações confiáveis.

Priorize você. Cuide-se!

Alimentação saudável (rica em frutas, legumes, grãos integrais e proteínas magras), atividade física adaptada à gestação (caminhada, yoga, pilates, hidroginástica) e rotina adequada de sono (8 horas por noite).

Com ou sem pandemia, esses cuidados proporcionam diversos benefícios e devem, na medida do possível, fazer parte do dia a dia da mulher. Ainda que seja difícil, o recomendado é praticar exercícios com máscara e, claro, manter o distanciamento e a higiene constante das mãos.

Cuide da sua saúde, durante uma gestação é importante manter hábitos saudáveis.

Trabalhe sua saúde mental

Cuidar da saúde mental inclui evitar (sempre que possível) situações de estresse, excessos e ambientes tóxicos.

Vale também cultivar uma rede de apoio que dê suporte nos momentos de vulnerabilidade e incluir na rotina aquilo que te dá prazer. Preparar-se para a nova fase com calma e confiar nos seus instintos só fará bem.

Lembre-se: a experiência de pessoas próximas pode ser absolutamente diferente da sua. Evite comparações que possam deixá-la ansiosa ou insegura e busque ajuda profissional caso identifique sintomas de depressão.

Relato pessoal: Divida e liberte-se!

enino ou menina? Qual nome? Parto vaginal ou cesárea? Chá virtual ou rifa? Terá ou não visitas? Vai pôr na creche para voltar ao trabalho? Descobri que não tenho essas respostas. E não tê-las já não me aflige mais. É libertador. Prefiro pensar que o mais difícil meu organismo já está fazendo, e é um baita de um trabalho!

Buscar uma gravidez saudável também, e essa parte é comigo. O resto é secundário e pode esperar. Quer ano melhor que 2020 para nos ensinar que não podemos controlar tudo? É um dia de cada vez, cada qual no seu tempo.

Falando em aprendizado, desde crianças, nós, mulheres, assimilamos que temos que dar conta de tudo. Até das obrigações que não nos cabem. Felizmente, nunca é tarde para reivindicar uma divisão justa de tarefas – estando grávida ou não.

Parte da carga gigante que carregamos não é de fato nossa, é excesso para compensar aquilo que outros têm deixado faltar. Cá entre nós, é mais que chegada a hora de deixar a capa de heroína de lado, dar um tempo de salvar o mundo, passar a dividir responsabilidades e pedir ajuda sim, sem rodeios.

É hora de priorizar e cuidar de você. E, agora, do seu mais novo amor.

Divida as responsabilidades e viva sua gestação com mais paz e conforto

 

Fonte: www.rspress.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, comente
Coloque seu nome aqui