Depois de terem pago boa parte do valor de uma festa de casamento que deveria realizar-se no Casablanca Espaço Gastronômico(Espaço Boa Vista), salão e buffet localizado na Estrada do Santíssimo, no Parque Santa Tereza, em Santa Isabel, dois casais, um deles de Arujá, foram informados pela dona da empresa que não mais poderia realizar as celebrações. E pior, não poderia devolver o dinheiro pago pelos noivos, que até agora não tiveram uma ação concreta do buffet no sentido de planejar a devolução do valor.

Abner dos Santos Fiorilli, residente no bairro dos Canjicas, em Arujá, procurou o Jornal logo após registrar queixa na Delegacia de Santa Isabel, na última semana. Ele relata que o contrato para a realização da festa de casamento foi firmado em 04 de fevereiro de 2019, no valor de R$ 15.000,00. Os valores foram pagos em cheques, sendo que R$ 14.000,00 já foram descontados.

“No dia 10 de junho deste ano recebi uma ligação da Erika Rossi, que é a responsável e ela disse que por força de uma liminar que recebera não poderia mais realizar o evento. Pior, ela disse que não tinha como devolver o dinheiro e que iria tentar negociação com as pessoas para as quais passou adiante os meus cheques. Além de termos pago em dia 14 parcelas de R$ 1.000,00 ela ficou com o cheque caução de R$ 2.000,00, que não devolveu”, afirmou Abner.

Claro que as tais tentativas de negociação, se aconteceram não foram produtivas e não houve resposta do Buffet Boa Vista aos noivos. “Tive que sustar os últimos dois cheques, e fiz um comunicado à praça, porque não temos condição de arcar com um prejuízo tão grande. Temos feito um sacrifício enorme para poder contar com uma recepção aos familiares e amigos no nosso casamento”.

Mas ao que parece, esta situação de uma liminar embargando eventos no Espaço Boa Vista vem do ano passado, já que um outro casal que firmou contrato em novembro, naquele mesmo mês foi informado sobre o impedimento da realização da festa. Rodrigo Martinez, que junto com a noiva, Bárbara Raquel teria negociado a festa no valor de R$ 13.000,00,já havia dado ao Buffet 12 cheques no valor de 1.083,33. Até junho deste ano, não houve nenhuma devolução do valor e no dia 9 de junho ele sustou os últimos cheques, depois de ter pago R$ 6.499,98.

Ele acrescenta que os cheques foram passados por sua noiva, Bárbara Raquel e que um fornecedor acabou protestando um cheque, causando restrição ao nome dela nos serviços de proteção ao crédito. Ele remeteu ao jornal o boletim de ocorrência e conversas de watsapp em que a responsável pelo Buffet diz que está tentando uma negociação e que no momento não pode devolver o valor pago.

“Estamos indignados com a situação, porque é um sonho que tínhamos e para o qual nos planejamos com sacrifício e agora, além da frustração fica o prejuízo material e também o moral pois com o protesto dos cheques o nome da minha noiva ficou sujo.” afirmou.

Um grupo de watsapp foi formado e outros casais lesados pela empresa começam a aparecer. O jornal fez vários contatos com o celular da responsável pelo Casablanca Espaço Gastronômico e não obteve retorno. Fez contato no telefone comercial e foi atendido por um advogado que se identificou como Cesar, o qual afirmou que ainda não tinha sido legalmente constituído, mas que acionaria a dona do Casablanca para falar com o jornal, o que não aconteceu durante os últimos dias.

A Polícia isabelense já tem ouvido os casais e está investigando a situação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, comente
Coloque seu nome aqui