Como sobreviver em tempos de Covid-19, especialmente se o profissional é um artista de rua e não pode ficar em casa, como recomendam as autoridades de saúde? Delmar Teixeira, um músico baiano de 39 anos, encontrou um jeito criativo para continuar o seu trabalho como saxofonista. Ele criou uma cabine musical anticovid, com plástico e PVC, para se proteger e continuar exercendo seu ofício.

Delmar conta que no início da pandemia teve que parar o trabalho por quatro meses, porque temia ser contaminado. O medo aumentou quando ele viu uma prima, de apenas 30 anos, morrer por conta da Covid-19.

Pai de um filho e com a esposa grávida do segundo, o músico começou a pensar em estratégias que pudessem ajudá-lo a continuar tocando seu instrumento para garantir o pão de cada dia. A ideia era criar um dispositivo que fosse capaz de protegê-lo, mas, ao mesmo tempo, que não impedisse seus movimentos para tocar o sax.

PVC e plástico

Delmar Teixeira, o criador da "cabine musical anticovid"
Delmar Teixeira, o criador da “cabine musical anticovid”

Inicialmente, pensou em criar uma cabine usando uma estrutura de uma guarda-chuva. Não funcionou. Ai teve ideia de criar uma estrutura de PVC cercada por um plástico transparente. Deu certo. Estava criada a sua cabine musical anticovid. Mas antes de levar sua criação para as ruas, ele conta que teve que treinar bastante em casa para se adaptar.

Com o equipamento, já conseguiu fazer apresentações na cidade de Valença, no sul da Bahia. Mas pode ser visto diariamente executando clássicos da MPB e até internacionais no Corredor da Vitória, um bairro de Salvador.

Mesmo protegido por sua cabine musical, Delmar mantém outros cuidados para evitar a contaminação pelo novo coronavírus. Não abre mão do uso da máscara, que só tira quando está tocando o instrumento, não esquece de usar com frequência o àlcool em gel e prefere deixar para se alimentar em casa.

Músico toca saxofone protegido por cabine de plástico
Músico toca saxofone protegido por cabine de plástico

“Depois que perdi minha prima, fiquei com medo de me alimentar na rua. Então eu saio, ajeito a cabine, tiro minha máscara e não como nada na rua, bebo no máximo uma água, mas daquela que é comprada. Só me alimento em casa”, conta ele.

Reconhecimento do público

Para transportar todo o equipamento, que inclui a cabine, o saxofone e uma caixa de som, o artista usa seu carro. A montagem da cabine musical, que tem um suporte para celular e para máscara, ele faz no local da apresentação.

A criatividade do músico acabou dando uma grande visibilidade ao seu trabalho. Ele já foi entrevistado pelos principais veículos de comunicação da capital baiana e destaca sua satisfação em poder levar, com sua música, um pouco de alegria para as pessoas, nesses tempos sombrios de pandemia.

Delmar tem recebido muitas manifestações de apoio e elogio ao seu trabalho. Numa delas, recebeu uma sacola de pão com um recado especial do doador generoso: “Estou sem dinheiro, mas espero que o senhor aproveite esse pão! Obrigada por trazer vida para a rua. O mundo precisa dos músicos. Deus te abençoe”.

Saxofonista cria cabine musical para trabalhar durante pandemia da Covid-19 na BA — Foto: Arquivo pessoal
Mensagem que recebeu de um admirador. Foto – arquivo pessoal

“É gratificante demais estar levando um pouco de suavidade para a vida das pessoas. Eu vejo isso como resposta quando as pessoas passam no carro e fazem um sinal de legal; muitos param e contribuem com o trabalho”, assinala Delmar.

Com informações do G1 Bahia e Portal UOL

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, comente
Coloque seu nome aqui